Smart Fit News
Smart Fit News » Saúde » Estudo relaciona atividade física à longevidade de pessoas com Parkinson

Estudo relaciona atividade física à longevidade de pessoas com Parkinson

A pesquisa foi conduzida na Coreia do Sul com mais de 10 mil pessoas

Por: Mirela Mazzola10/02/2022Tempo de leitura: 2 mins

Estudo relaciona atividade física à longevidade de pessoas com Parkinson

Segunda doença degenerativa mais comum entre idosos, atrás apenas da Doença de Alzheimer, o Parkinson atinge o sistema nervoso central de forma crônica e progressiva. Ela é causada pela degeneração de células responsáveis pela produção de dopamina, neurotransmissor que carrega mensagens entre as células nervosas para a realização de movimentos voluntários de forma automática. A perda acelerada de dopamina leva aos tremores, sinal mais característico da doença, mas também à lentidão motora, ao desequilíbrio e à rigidez das articulações, entre outros sintomas. Ainda não se sabe a causa da doença, mas acredita-se que tanto fatores genéticos quanto ambientais estejam envolvidos. 

Embora o Parkinson ainda não tenha cura, existem medicamentos que repõem parte da dopamina que não está sendo produzida. O tratamento envolve ainda medidas não-farmacológicas, como o acompanhamento de fisioterapeuta, psicólogo e nutricionista. Já se sabe, também, que a prática regular de atividade física melhora a qualidade de vida do paciente. 

Um estudo conduzido na Coreia do Sul com 10.699 portadores da doença maiores de 40 anos mostrou, ainda, que os exercícios físicos antes e depois do diagnóstico contribuem para a longevidade. Ou seja, o grupo dos fisicamente ativos apresentou uma taxa de mortalidade por qualquer causa menor que a dos sedentários. A pesquisa foi divulgada na publicação científica JAMA Neurology e durou entre 2010 e 2021. 

Foram definidos três níveis de intensidade de exercício entre os indivíduos: leve (caminhada por mais de meia hora), moderado (andar rápido e jogar tênis, por exemplo) e alto (corrida, ciclismo etc.). Para ser considerado fisicamente ativo, o participante deveria praticar atividades de alta intensidade três ou mais vezes por semana ou de intensidade moderada pelo menos cinco vezes. Além da atividade física, a análise se baseou em variáveis como consumo de bebida alcoólica, Índice de Massa Corporal (IMC), taxa de colesterol e comorbidades. 

Para todas as intensidades de exercícios, as pessoas consideradas fisicamente ativas tiveram uma taxa de mortalidade menor em comparação aos inativos. Aquelas que já eram fisicamente ativas e mantiveram a prática depois do diagnóstico apresentaram uma redução na taxa de mortalidade ainda mais significativa, de 50%. 

Já que você está aqui

Conheça os planos da Smart Fit

Siga a Smart no insta

Instagram @smartfit
Instagram @smartfit
Instagram @smartfit
Instagram @smartfit

Este site utiliza cookies para que você tenha a melhor experiência em nosso site. Consulte nossa política de privacidade.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close